Início

23/02/2010

De onde vêm estas borboletas?

Ela estava cansada. Naquele dia, talvez tivesse levantado da cama sem mesmo ter sentido que já era hora. O fardo dos dias às vezes se torna pesado pr’aqueles de coração excessivamente pensativo.

Ainda com seu par de meias amarelas e o cheirinho do café que envolvia seu pijama de algodão, respirou fundo e enfim acordou, depois deste sorriso arrancado tão gostosamente.

Um banho, o cheiro fresco do xampu de flores, roupas vibrantes... [Ah, como ela gostava de verde bandeira!]

Era assim quase toda manhã: um misto de realidade profunda e esperança incansável. Todos os tons possíveis entre tristeza e alegria, entre desistir e tentar... Talvez o saldo com o amor nunca tenha sido satisfatório, no entanto há corações pensativos que de tão belos, se espalham...

Ela olhava o caminho, e por vezes achava inseguro demais, mas o coração quando se decidia, era quase implacável! E lá ia ela pelas ruas a passos firmes e distraídos, experimentando o tempo, desafiando as previsões, sentindo gostos e cheiros de vida.

Era uma empirista às avessas, das situações e das idéias que observava em si mesma e ao seu redor sempre tirava teses e resultados: Uma espécie de Cientista da Própria Subjetividade.

Uma das teorias que formulou, por exemplo, é de que como tudo se adapta, os cupidos de hoje também o fizeram. Eles não mais trabalhavam com arco e flecha [se ainda possuem vendas, isso não ‘desvendou’] para garantir que duas pessoas se notassem de forma especial...

Os cupidos [aqueles sapecas] encontraram uma maneira de fazer as pessoas engolirem borboletas! De alguma forma eles devem ter refletido sobre ação do tempo sobre as lagartas [que seriam as sementes de nossa maturidade em relação ao amor] a metamorfose [fase de transição] e o explodir das cores em seus novos corpos ao ganharem um belo par de asas! De certa forma, o encantamento dá asas...

Ela é apenas alguém que cria demais... não questionem seus métodos... Mas se restam dúvidas, tire a prova dos nove:

Já sentiu borboletas no estômago?

3 comentários:

O Reina disse...

Eu já....
Você anda sentindo, nega?

Bianca disse...

Hmmm...
Vou me esquivar que nem o Miguel fazia:

É meu "eu lírico".

hahahaha

=*

Gil disse...

"Eu lírico"? Sei, agora tudo faz sentido... Por essa eu não esperava!
Que essas borboletas habitem pra sempre seu estômago.
Abraços!