Início

22/10/2005

Coração de Carne

Estava refletindo sobre o tema do acampamento de jovens: Um coração de carne no lugar do meu coração de pedra. Achei muito bom tratar-se deste tema, pois ele tem me incomodado a algum tempo...

Insensibilidade, esta é uma das variantes do coração de pedra. Questionando algumas pessoas sobre o que é um coração de pedra, ouvi várias coisas, sobre as pessoas que não querem Jesus, pessoas que não gostam de ouvir falar, pessoas lá de fora... sempre o outro.

As pessoas se acostumam de tal forma a escutar sermões, a conviver com o ritual do culto, a estar entre crentes 'santos e puros' que se cria uma camada tão grossa de escamas no coração, que já não há contato do que há lá dentro com o que há lá fora. Coração de pedra a ser quebrado é o da igreja primeiro. É a tentativa de materializar a espiritualidade através da religiosidade para 'facilitar'o relacionamento, impessoalizá-lo, que tem criado distâncias.

O Pr. Gerson no pré-acampamento falou sobre a individualidade, sobre ser chegada a hora das pessoas se colocarem diante de Deus como únicos, fora da sombra de grupos, e tomar uma decisão. Eu comentei isso num devocional que fiz no coral umas semanas antes, de que num coral eu não preciso, de fato, saber cada nota, ou a letra da música, posso fazer mímica ou acompanhar o outro. Posso até faltar que ninguém nota, são várias cabeças uniformizadas e verdes, uma a mais, uma a menos... Porém enquanto igreja, enquanto pessoa, isso não funciona. A única pessoa a ser enganada sou eu mesma. Só.

Me lembro da cena do Felipe falando ao microfone, chorando, sobre a a falta de reverência. E depois disse mais ou menos assim: Quer adorar a Deus, adore. Não quer, pode sair. E é exatamente o que devia estar na mente das pessoas: qual é a minha motivação?

Deus sonda a intenção do coração. Ele não quer atores, hipócrites, palavra que, na época de Jesus, se referia às pessoas que representavam um papel na frente dos outros. Interessante sobre atores é que antigamente eles sempre interpretavam o papel usando máscaras de cera, e a palavra 'sin/cero', quer dizer 'sem cera'. Quantos hipócritas na igreja! Com máscaras de cera no rosto e no coração. Às vezes isto nem é intencional, mas é o maior impecilho para o crescimento do corpo. Quantos não conseguem ouvir o que se fala, o que se prega, o que eles mesmos discursam, daí a desconexão entre discurso e atitude.

Eu posso estar na igreja, ou em qualquer lugar, mas não posso perder de vista o fato do Espírito Santo estar dentro de mim, com ciúmes de mim, e cada coisinha que penso ele vê. Ora, para quê me enganar de que o que eu estou fazendo é adoração? é culto? É testemunho? é quebrantamento? Pra que estou aqui se meu coração nunca desejou este Deus? Penso que falta honestidade consigo mesma da parte de algumas pessoas, pois Deus já sabe de tudo.

O desejo de Deus não é adoração enquanto forma, mas enquato intenção. Sem Ceras, como carne viva e com sangue vivo. Um coração real, não perfeito, mas verdadeiro e humilde, dependente somente da graça. Pessoas coerentes. Uma fé viva e um relacionamento bilateral com Ele.

2 comentários:

Luiz Felipe Asp disse...

É bom ver alguém que escreve coisas inteligentes num blog. A maioria só encaixa textos dos outros. Vale a pena ficar de olho no seu blog, Bionca!

Luiz Felipe Asp disse...

Bem... eu só posso falar por mim.

No retiro, eu me senti frustrado nas minhas expectativas. Eu tô meio à parte do social da igreja por hoje, pois não faço parte de nenhum grupo de trabalho. Eu queria tentar reconstruir pontes de amizade, mas senti dificuldades, tanto pela minha timidez, tanto pelo interesse dos outros.

Isso me frustrava tanto que eu acabei passando os cultos do retiro com Escandarane e Ruivo no carro, às vezes ouvindo a mensagem ao longe, normalmente de papo.

Três caras fechados que adorariam ser abertos e fazer parte.

Sei lá... Eu tenho sentido falta de me sentir parte viva e pulsante do corpo de Cristo. Isso tem pesado na minha vida em geral.

Dizem que não podemos dizer que amamos a Deus se não amamos todos os homens que nos cercam. Quando não conseguimos nos aprozimar deles pesa igualzinho...